Categorias
Textos

11 anos do Mesa de Bar do Grêmio

Em 11 anos de Mesa de Bar do Grêmio é possível dizer que registramos o melhor e também o pior que o clube pode proporcionar ao torcedor. E, honestamente, se é possível que algo pior aconteça ao Grêmio, preferimos não imaginar.

Fazendo o balanço desses 11 anos, podemos dizer que nosso foco sempre foi reunir pessoas que tivessem assuntos e visões de mundo compatíveis. No começo da nossa caminhada, abrimos as portas para toda sorte de torcedor gremista interessado em participar e discutir absurdos do cotidiano do clube, tal qual o Pará improvisado na esquerda. Hoje, entretanto, decidimos nos manter entre as opiniões de Gabriel Pinto, Fane Webber, Rodrigo Azevedo e de Anderson Kegler.

Conforme os anos foram passando, percebemos que nosso reconhecimento não é da instituição do clube. Do Grêmio, nós verdadeiramente não queremos nada, exceto o mínimo: vitória, títulos e que não se agrida nenhum princípio constitucional.
Com a chegada dos padrinhos, nossos ouvintes deixaram de ser números em uma planilha e criaram nomes e rosto. Um privilégio que mudou o rumo dos nossos projetos.

Outra mudança de impacto ocorreu quando mudamos o formato de gravação para lives. Se antes os padrinhos comentavam no grupo, agora comentam ao vivo debatendo nossas ideias.

Percebemos que nossa carência está suprida.

Portanto, mais um ano, reiteramos o compromisso de não aceitar migalhas do Grêmio. Não exigimos reconhecimento e nem promoção pessoal dos participantes. Não queremos reconhecimento das pessoas dentro do clube e não nos aliamos aos que habitam seus espaços, exceto se estejam ativamente participando do esporte. Seja como treinador ou jogador.

Não vamos entrevistar, dar espaço ou comentar a política do clube exceto como motivo de chacota e desprezo cínico. Não oferecemos bonés, cervejas ou churrascos de boas vindas. Não somos carentes a tal ponto, já temos amigos suficientes.

Estamos contentes com nosso desempenho. Temos amigos que participam durante as lives. Conversamos com, em sua maioria, padrinhos enquanto falamos de Grêmio e outros assuntos. Porque sim, temos outros assuntos.

É com orgulho que fazemos esse balanço. O foco do MBG sempre foi de reunir e falar do assunto comum e depois evoluiu com a chegada dos padrinhos e evoluiu novamente com as lives e seguiremos evoluindo nos próximos 11 anos.

Obrigado padrinhos do MBG por nós suportar e nos entender.

Obrigado a audiência e aos amigos que nos acompanham no site, nas plataformas de podcast e nos encontros da vida.

Seguimos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.