O que podemos aprender na eliminação da Libertadores para superar na Copa do Brasil

Não é fácil superar uma eliminação na Libertadores, especialmente contra uma equipe que tem hoje menos condições que o Grêmio.

Mas o fato é que o Grêmio foi ridiculamente superado pelo Santos e se na primeira partida a gente pode aprender algumas lições, a segunda partida deixou mais claro isso. E entender esses dois jogos são fundamentais para conseguirmos avançar a mais uma final de Copa do Brasil. Vou trazer apenas duas que pude observar com clareza:

Primeira lição: Intensidade e linhas altas

O Santos marcou em cima, encaixou os jogadores e avançou as linhas. Não vou detalhar aqui pois o twitter do @Analixta já fez muito bem a análise em outro jogo, que serve da mesma maneira.

O São Paulo, adversário da semi-final, joga muito com linhas avançadas e apesar de não encaixar tanto a marcação por atuar nas zonas, a intensidade de pressão na bola é o ponto forte.

Segunda lição: Jogadores fora de posição

No jogo da volta aconteceu isso com maestria. Jean Pierre recua pra segundo homem do meio após a entrada de Pinares. Depois quem sai é o David Braz e entra o Churin, aí Matheus Henrique recua pra linha de zaga.

Ora, se o nosso melhor Jean Pierre é que atua lá mais perto do gol e Matheus Henrique tem uma chegada forte na entrada da área dando suporte para passe e conclusão, por que recuá-los? Para colocar jogadores de qualidade duvidosa mais na frente?

O adversário da vez

O São Paulo, treinador há mais de 1 ano pelo Fernando Diniz, não me parece o time que irá fazer como o Santos. Mudar o esquema para surpreender não é muito do feitio do técnico tricolor paulista.

Sendo assim, veremos um São Paulo com intensidade e pressão no jogador que tiver a bola. Linhas altas e construção de jogo pelo chão.

Como o Grêmio pode se aproveitar disso?

Jogar EXATAMENTE como o Santos fez contra o Grêmio. Linhas mais altas, encaixar a marcação e ser efetivo no ataque de maneira rápida aproveitando os espaços do adversário. Que vão surgir.

Na defesa, se fechar, como o Santos fez. Intensidade absurda e linhas bem compactas e próximas.

Vamos avançar jogando dessa maneira? Não sei, mas me parece uma estratégia pontual a fim de segurar o líder do campeonato brasileiro e garantir mais uma vez a vaga na final da Copa do Brasil.

Seguimos.


Gabriel Pinto

Intensidade contra as favoritas

Ontem tive a oportunidade de acompanhar as #guriasgremistas no jogo contra o Santos pela TV.

Temos que dar os parabéns pra Band que está transmitindo o futebol feminino e bem provavelmente por causa do Santos, passaram o jogo. Mas também não podemos deixar de lamentar o horário do certame: 14 horas. Num domingo de sol em Novo Hamburgo. Nem é preciso se alongar pra dizer que o futebol perde qualidade nessas condições.

Dentro de campo o que vi foi um Grêmio bastante seguro e intenso na marcação, não dando espaço para as meninas santistas. Ainda no primeiro tempo tivemos um chutaço na trave com a Pri e um certo controle de jogo. No segundo tempo a história mudou um pouco e o time foi cansando, deixando mais espaços e acabou dando dois vacilos fatais. No primeiro, um escanteio que a Ju Oliveira foi enganada pela bola e cabeceou contra o gol. O 1 a 0 contra pesou no ombro das jogadoras e num vacilo em um lateral, deixaram espaço para a atacante santista conduzir pelo meio e acertar um chute de fora da área. Golaço e 2 a 0 pro Santos.

O Grêmio teve chances de gol, tinha até um certo espaço na defesa santista, mas parece que faltou um pouco mais de qualidade e experiência para pelo menos ter segurado o empate contra um time favorito do campeonato.

Não dá pra tocar a corneta nesse time ainda em formação, com pouco apoio e muita vontade. O Santos é favorito ao título e ter segurado com boas condições por quase 70 minutos de jogo já pode ser visto com bons olhos e tomarmos lições positivas.

A corneta a gente pode tocar no clube Grêmio mesmo, que praticamente quase 24h horas depois do jogo ainda não tem uma noticiazinha sequer no site oficial. Enquanto estava escrevendo esse texto fui atrás da ficha técnica do jogo e só encontrei no site do Santos. Uma pena que o Grêmio seja pequeno demais pra isso.

Seguimos.


Gabriel Pinto